expedição fotográfica

14:00​ ​-​ ​Concentração​ ​no​ ​Largo​ ​do​ ​Amparo

14:30​ ​-​ ​Capoeira​ ​Angola​ ​Mãe​ ​
Tradicional grupo de capoeira de Pernambuco, fundado em 1983. Na ocasião, o espaço receberá a abertura da Semana Consciência Negra, que marca a inauguração do MICAPE – Museu Independente de Capoeira Angola em Pernambuco.

15:00​ ​-​ ​Oficina​ ​de​ ​Bonecos​ ​Gigantes​ 
Um dos símbolos do carnaval de Olinda, os conhecidos Bonecos Gigantes são criados e recriados em oficinas de quintal. O artesão, conhecido como Paulo do Boneco, tem nesta tradição uma das principais fontes de renda da sua família.

15:30​ ​-​ ​Igreja​ ​de​ ​Nossa​ ​Senhora​ ​do​ ​Monte​
Construída originalmente por ordem de Duarte Coelho, em 1535, a Igreja de Nossa Senhora do Monte é a mais antiga edificação religiosa de Olinda. Acredita-se que essa igreja escapou do incêndio causado pelos holandeses por ser muito distante do centro da vila. No século XVI foi doada aos Beneditinos, funcionando o Mosteiro de São Bento. Atualmente, funciona o Mosteiro das Monjas Beneditinas.

16:30​ ​-​ ​Largo​ ​do​ ​Rosário​ ​
Igreja​ ​de​ ​Nossa​ ​Senhora​ ​do​ ​Rosário​ ​dos Homens​ ​Pretos​ ​-​ ​Fundada na segunda metade do século XVII, através da irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos de Olinda, por pertence aos negros escravos, a igreja é a primeira em Pernambuco com irmandade a congregá-los. Em sua volta eram realizadas festas denominadas congos, em uma tentativa de resgatar as festas religiosas africanas.

Escultura​ ​Negrinho​ ​-​ ​Assinada pelo artista plástico e arquiteto Petronio Cunha, uma homenagem aos ancestrais e a matriz africana, marcando o território ao lado do baobá.

Baobá​ ​do​ ​Rosário​ – Para os povos de matrizes africanas, o baobá é a árvore que guarda os ancestrais. E o Baobá do Rosário foi plantado em cerimônia pelo Babalorixá Ivo da Casa Xambá.

Bica​ ​do​ ​Rosário​ – Citada na Carta Foral de Olinda em 1537, a Bica do Rosário é a única remanescente do Vale de Fontes, um riacho existente no século XVI. A Bica ostenta em sua base o secular brasão da cidade. Área usada pelos escravos para serviços diversos.